ABRACAM | Associação Brasileira de Câmbio

Money Times: Euro permanece abaixo da paridade em relação ao dólar; é hora de comprar?

Euro volta a ser negociado abaixo da paridade em relação ao dólar, após uma breve recuperação em julho. Moeda também está atrativa em relação ao real? (Imagem: REUTERS/Dado Ruvic/Ilustração)

euro voltou a ser negociado abaixo da paridade em relação ao dólar desde segunda-feira (22). Após um breve rompimento desse suporte em julho, parece que, desta vez, a marca simbólica de US$ 1 por € 1 ficou mesmo para trás.

A perda de valor da moeda única europeia torna atraente a compra no mercado internacional. Segundo a equipe de estratégia de câmbio do BCA Research, os investidores externos podem obter um retorno anualizado de 6% na próxima década se a cotação do euro em relação ao dólar voltar ao seu “valor justo”.

No entanto, as perspectivas de curto prazo para o euro estão repletas de riscos. Afinal, diante dos problemas econômicos cada vez piores da zona do euro, um período prolongado de fraqueza da moeda parece mais provável.

“Com a cotação novamente abaixo do nível de paridade simbólica, a recuperação do euro a partir de meados de julho provou ser de curta duração”, afirma o economista sênior de mercados da Capital Economics, Jonas Goltermann.

Euro sob pressão

Enquanto isso, as notícias na Europa continuam piorando. Os preços de energia estão subindo, o que mantém a inflação acima do previsto, enquanto os indicadores da atividade econômica apontam para uma recessão.

“Os preços mais elevados da energia são negativos para o crescimento da zona euro e prejudiciais para as perspectivas de inflação”, observam os estrategistas do BCA Research. Ao mesmo tempo, os diferenciais das taxas de juros na zona do euro e nos Estados Unidos também favorecem o dólar.

Com isso, até mesmo a tentativa de uma postura mais agressiva (“hawkish”) do Banco Central Europeu (BCE) caiu por terra. Nem uma forte alta da taxa de juros por parte do BCE conseguiria fortalecer o euro, por ora.

“Grandes altas de juros não são favoráveis à moeda quando são feitas para manter as expectativas de inflação ancoradas e prejudicam as perspectivas de crescimento ao mesmo tempo”, disse Sam Zief, chefe de estratégia global de câmbio do JPMorgan, à Bloomberg.

Com isso, o viés de baixo para o euro tende a persistir. “O prêmio de risco da paridade pode durar vários meses, como aconteceu em 2015 e em 2018”, prevê o estrategista de câmbio do ING,  Francesco Pesole.

Ele se refere à crise da dívida na Grécia e à turbulência política na Itália. Ainda assim, o ING avalia que a cotação do euro em relação ao dólar permanece subvalorizado em cerca de 5% com base no valor justo de curto prazo.

E no Brasil?

Com o euro fraco lá fora, a dúvida é se a mesma premissa é válida para o câmbio doméstico. Uma vez que o real brasileiro é mais fraco tanto em relação ao dólar quanto em relação ao euro, é preciso medir as forças frente a ambas as moedas.

Nesse sentido, chama a atenção o fato de o real estar com uma das melhores performances entre os pares emergentes, enquanto as moedas desenvolvidas se desvalorizam. “Há um movimento misto nas moedas, com as emergentes seguindo as commodities e se valorizando”, comenta o operador da Renascença Corretora, Luís Felipe Laudísio.

Para ele, o real deve seguir se beneficiando desse movimento das commodities industriais e também do fluxo de capital estrangeiro em direção à renda fixa e à renda variável local. Aliás, é a chegada desses recursos externos que têm blindado os negócios domésticos e permitindo uma dinâmica própria também do Ibovespa.

Sai dólar, entra euro

As casas de câmbio têm sentido os efeitos da paridade euro/dólar e veem a procura pela moeda única europeia aumentar. Esse aumento na demanda se dá principalmente com a finalidade de turismo.

Em meio à retomada das viagens internacionais, a presidente-executiva da Associação Brasileira de Câmbio (Abracam), Kelly Massaro, comenta que o euro tornou-se mais atrativo do que o dólar nos últimos dias.

“O euro é a segunda moeda mais procurada para o turismo. Agora, as pessoas estão olhando mais para ele”, diz.

Partiu Europa?

Já o sócio-diretor da Pronto Invest, Vanei Nagem, calcula que a procura por euro aumentou de 25% a 30% nos últimos dias, na comparação com o movimento observado quatro meses atrás.

Segundo ele, a orientação é comprar um pouco da moeda única agora. E, depois, para quem for viajar no médio ou longo prazo, comprar mais uma remessa de euro.

“A perspectiva de melhora da economia da Europa é pequena. Então, há mais espaço para desvalorização do euro ante o dólar. Com isso, dá para esperar um pouco para comprar mais moeda”, observa Nagem.

Na mesma linha, o diretor de câmbio da Correparti, Jefferson Rugik, reforça que a procura aumentou em um terço, principalmente, por pessoas físicas em busca de euro turismo.

“Mas o conselho para clientes e empresas é fazer uma cotação média, já que há chances para mais quedas do euro”, orienta.

Segundo o site “Meu Câmbio”, que lista a cotação de corretoras e bancos especializados em moedas e autorizados pelo Banco Central, o preço médio do euro turismo, hoje, está em R$ 5,26. É o menor valor desde o fim de maio. O preço considera a compra de moeda em espécie e sem a cobrança do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

Com Flávya Pereira.

Compartilhe este Conteúdo

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abrir bate-papo
1
Escanear o código
ABRACAM
Olá,
Como podemos ajudá-lo?